TRAVESSIAS 4: UM CONVITE AO DIREITO À CONVIVÊNCIA
Observatório de Favelas

O Observatório de Favelas convida você a estar presente na quarta edição da Exposição Travessias – Arte Contemporânea na Maré. Esse é um convite de compartilhamento com a criação sensível da arte contemporânea. Viver intensamente suas provocações. Celebrar encontros de encantamentos entre criadores, obras e público. Travessias 4 é uma mobilização de expressões da diferença e de diferentes presenças que se combinam em um mesmo espaço.

É assim que se propõe a ser a nossa exposição de arte; uma cena pública para convivências generosas. Queremos você presente. Você é muito importante. Precisamos experimentar juntos outras formas de estar e ser no mundo. Mais do que recusar as práticas de intolerância, distanciamento e, no limite extremo, de anulação dos outros diferentes, é preciso promover a superação de ações e narrativas regressivas – apoiadas em preconceitos religiosos, raciais e sexuais– que só promovem o perverso empobrecimento das relações em sociedade.

A criação e comunicação estética possui um papel indispensável para esse horizonte desejado. Transpor limites. Inventar sensibilidades. Mobilizar emoções. Provocar questionamentos. E muito mais. É o que se propõe a realizar a Exposição Travessias 4.

Travessias é a afirmação de uma política: a do agenciamento de encontros. É o percorrer de caminhos outros para colher a diversidade do mundo da vida. Portanto, não é por acaso que a exposição é uma realização na Maré. É o reconhecimento dos territórios populares como potência de criação artística e obra de convivências plurais.

Fazendo e vivendo travessias certamente seremos capazes de inventar uma sociedade democrática em suas possibilidades múltiplas de existência. Para tanto, é importante a sua presença. Venha inventar esse estar juntos, criando significados maiores para a criação da arte.


O TRAVESSIAS 4
Luiza Mello (Automatica) e Pedro Évora (Rua Arquitetos)

Travessias chega à sua quarta edição na Maré. E flui.

Estamos em um fluxo sem linhas retas e certas, previsíveis, mas em um percurso com movimentos, bifurcações, deslocamentos e desdobramentos.

Ao longo dos anos, o Galpão Bela Maré abrigou, com o Travessias, artistas renomados e suas obras, artistas locais e suas obras, além de oficinas de arquitetura, design e um programa educativo atento. Cresceu a relação com o público, favoreceu e viu nascerem encontros incríveis.

É próprio das marés o movimento cíclico de elevações e abaixamentos das águas, e o Travessias 4 se expande, derramando novos significados em um espaço de relações em construção.

O Travessias entende a arte como um lugar capaz de aflorar contatos afetivos e criativos com o mundo e entre as pessoas.

Chegamos à quarta edição da exposição olhando para aquilo que pode extravasar entre bordas. Convidamos dois artistas – Regina Silveira e Eduardo Coimbra – para fazer obras para o Travessias a partir de um olhar para a Maré. Ao encontro deste convite, abrimos pela primeira vez um edital público para receber projetos de artistas não inseridos no circuito de arte. E fomos surpreendidos por um imenso fluxo de ideias e projetos que culminaram na escolha de duas propostas, da artista Marie Carangi e da dupla Antonello Veneri & Henrique Gomes, que serão desenvolvidas na Maré.

Ampliamos a maquete na representação do território da Maré e com ela saudamos a interação no processo de construção dos espaços da cidade.

Entre este movimento de dentro e de fora da Maré e a cidade olhando para si e para o que quer de si, chegamos ao quarto ano de trabalho no Galpão Bela Maré, na Favela Nova Holanda, Complexo da Maré, Rio de Janeiro, Brasil. A travessia está em todo o processo e é para todos e todas.


Petrobras

Mais uma vez, a exposição Travessias dissemina a cultura promovendo o encontro entre artistas de múltiplos olhares. O confronto de visões diversas é enriquecedor para o debate em torno da arte e possibilita uma gama infinita de percepções.

Ao estimular a reflexão sobre o espaço urbano, o projeto traz a realidade do dia a dia para o universo da criação e, por que não, também faz com que as centelhas criativas colaborem com a cidade, numa interação construtiva. A participação de artistas de variadas influências incentiva, ainda, o caráter diversificado da exposição, capaz de aglutinar todas as abordagens em prol da reflexão.

Entendemos que o Petrobras Cultural contribui para a ampliação das oportunidades de criação, circulação e fruição dos bens culturais e para a permanente construção da memória cultural brasileira. São projetos que envolvem desde a produção até a formação do público e as atividades formativas, fortalecendo ainda a cadeia produtiva. Buscamos, desta forma, patrocinando projetos de várias áreas e formas de arte, abordar a cultura brasileira em suas mais diversas manifestações.

www.petrobras.com.br

w x y z

GALPÃO BELA MARÉ

Rua Bittencourt Sampaio, 169, Maré. Entre as passarelas 9 e 10 da Av. Brasil. MAPA.

De terça a sexta, das 10h às 17h. Sábado das 11h às 17h. Entrada Gratuita.